Blog Boviplan

Estamos navegando em mares tranquilos em relação ao mercado externo. Tormentas podem aparecer, mas o produtor brasileiro deve aproveitar esta onda favorável para produzir mais, com mais qualidade e, consequentemente, vender mais.

Segundo o boletim Tem Boi na Linha, da Scot Consultoria, o volume de carne embarcado até a segunda semana de julho foi de 7,34 mil toneladas. Este número representa um aumento de 26,7% quando comparado ao mesmo período de 2019. O faturamento diário no referido mês, também considerando as duas primeiras semanas, foi de US$ 30,04 milhões (alta de 11,4% frente a junho e de 31,21% em relação a 2019). A Scot conclui, ainda, que este bom desempenho das exportações brasileiras favorece a continuidade dos preços em um bom patamar para os próximos dias.

De acordo com dados publicados pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), a China é o maior parceiro do Brasil quando se fala em exportação de carnes bovinas. Em 2019, o Brasil enviou para lá 497 milhões de toneladas com um faturamento de US$ 2,6 bilhões. Em 2020, os cinco maiores importadores do produto brasileiro foram, na sequência, China, Hong Kong, Egito, Chile e União Europeia. O Estado de São Paulo é o maior exportador de carne bovina do país, tendo comercializado 411 mil toneladas este ano. Na sequência, vêm Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul e Rondônia.

No quadro Preços do Boi Gordo no Mundo, observamos os valores da arroba do boi gordo, em dólares americanos, em quatro dos principais países exportadores de carne bovina, no período compreendido entre os dias 16 de junho e 15 de julho de 2020.

Seguindo a mesma tendência do período anterior, a arroba do boi gordo sofreu uma valorização bastante significativa no mercado internacional, de 10,63%, puxado pela forte alta da arroba australiana, na casa de 22,24%, no atual período avaliado (16/06 a 15/07/20). Lá na Austrália, ocorreu uma recuperação no valor do produto, que havia caído bastante no período anterior. A carne brasileira também subiu no mercado internacional: alta média de 8,34%. Mais uma vez, a desvalorização do Real ajudou neste aspecto. Câmbio alto é bom para quem exporta e este fator vem auxiliando muito a comercialização internacional de todos os produtos agrícolas e pecuários brasileiros.

A Austrália teve a maior valorização da carne, seguida pela Argentina (12,28%), pelo Brasil e pelos Estados Unidos, que, na realidade, apresentaram leve queda de 0,37%. No fechamento do período avaliado, dia 15 de julho, o valor da arroba australiana foi de US$ 77,85, seguida pela arroba americana (US$ 51,15), brasileira (US$ 40,55) e argentina (US$ 39,90). Desta vez, a carne argentina subiu mais do que a brasileira, mas permaneceu mais baixa em valores absolutos. A carne brasileira fechou o período valendo 70,9% da carne americana e 61,18% da carne australiana, mostrando a grande competitividade do Brasil neste setor. Já em relação aos argentinos a carne brasileira ficou ligeiramente mais cara: 4,03%.

No próximo gráfico, Evolução do preço da arroba do boi gordo por UF (Unidade da Federação), podemos observar a variação de preços da arroba do boi gordo a prazo em nove dos principais estados produtores de carne do país. A análise considera os valores apurados entre os dias 16 de junho e 15 de julho de 2020.

Mais um período de alta no mercado interno do boi gordo! Com uma valorização de 10,43%, a média da arroba do boi gordo a prazo, praticada em nove das principais praças produtoras do país, saltou de R$ 185,69 para R$ 205,07. Em São Paulo, o valor da arroba do dia 15 de julho, último do dia do período de apuração, foi de R$ 216,15, valor de referência no país. A média no Estado de São Paulo, nesse período, foi de R$ 213,94, apresentando uma variação positiva em relação ao período anterior de 9,39%. O mercado continua firme com escalas curtas e falta de boiada pronta para o abate.

Mais uma vez, todos os estados avaliados apresentaram alta nos preços da arroba do boi gordo a prazo. A maior valorização ocorreu no Rio Grande do Sul, onde a arroba passou de R$ 193,11 para R$ 224,05 em média (16,02% de valorização). O estado gaúcho fechou o período com a arroba cotada a R$ 228,00, ou R$ 7,60 por quilo. Na sequência, vieram Paraná (12,14%), Mato Grosso do Sul (12,05%), Goiás (11,16%), Minas Gerais (9,60%), São Paulo (9.39%), Santa Catarina (8,73%), Mato Grosso (8,09%) e, finalmente, o Estado do Pará com 6,50% de valorização da arroba.

Quem se planejou bem está obtendo os resultados desejados. Quem não se planejou está alugando pasto caro ou vendo o seu gado emagrecer. Os preços estão bons, mas estão cobrindo os custos de produção? Quanto custa produzir uma arroba de boi gordo? Em cada propriedade, este valor muda e o gestor precisa saber essa resposta. A decisão pela venda ou não do seu animal passa, necessariamente, pela questão financeira. E quem não conhece a fundo os seus custos de produção pode cometer o erro de não vender na hora certa ou de vender antes da hora…

O gráfico Média do preço da desmama apresenta a média dos preços pagos pelo macho Nelore desmamado de 180 kg em oito das principais praças produtoras do Brasil. Estes preços foram levantados entre os dias 16/06 e 15/07/20.

A reposição, no país, continua de vento em popa! A categoria de desmama – macho nelore com oito meses de idade e 180 kg de peso vivo – mantém-se firme, com preços altamente vantajosos. O valor médio por cabeça subiu em todos os estados pesquisados neste último período. O preço médio, que era de R$ 1.622,28, passou para R$ 1.823,47, com alta expressiva de 10,90%. Na avaliação estado por estado, o que apresentou a maior alta foi Mato Grosso do Sul, com 20,08% de valorização. Na sequência, tivemos alta de 15,29% no Pará, que manteve a valorização por mais um período. Em seguida, vieram , Minas Gerais (11,38%), Rio Grande do Sul (11,17%), Paraná (8,79%), Goiás (8,65%), São Paulo (7,95%) e Mato Grosso (4,96%). O valor do bezerro em São Paulo, que continua sendo o mais valorizado do país, foi cotado, no período, a R$ 2.068,18 em média. No Rio Grande do Sul, o bezerro permanece como o mais barato do país, cotado a R$ 1.452,27.

Pela primeira vez, a desmama ultrapassou a barreira dos R$ 2.000,00 por cabeça. Isto equivale a R$ 11,11 por quilo de peso vivo! No entanto, no último dia da avaliação, 15 de julho, o valor de referência da desmama no Estado de São Paulo foi de R$ 2.100,00, R$ 11,67/kg de PV. Será que ainda há espaço para mais valorizações? Tomara que sim! Vamos aguardar a evolução da situação.

A Relação de Troca Média mostra as relações de troca do bezerro macho desmamado e do boi magro com o boi gordo no período compreendido entre os dias 16/06 e 15/07/20. A relação de troca entre desmama e boi gordo, no período, manteve-se praticamente inalterada, subindo de 1:1,82 para 1:1,83. Os números sinalizam um cenário em que os diversos segmentos da pecuária de corte no país estão se valorizando. Assim, a relação entre o invernista e o criador permanece inalterada. A relação de troca mais favorável ao invernista continua acontecendo no Rio Grande do Sul, onde a taxa se manteve em 1:2,25. O Paraná passou Minas Gerais neste quesito, e se tornou o segundo estado onde a relação é mais favorável: 1:1,96. Na sequência, temos os estados de Minas Gerais (1:1,95), Pará (1:1,76), Goiás (1:1,72), São Paulo (1:1,69), Mato Grosso (1:1,67) e Mato Grosso do Sul (1:1,66).

O mesmo ocorreu na categoria boi magro, porém com uma diferença um pouquinho maior: a relação de troca passou de 1:1,20 para 1:1,26 (alta de 26,35%). A menor relação de troca nessa categoria foi observada no Mato Grosso do Sul, onde um boi gordo comprou 1,15 bois magros na média do período avaliado. As relações mais altas foram observadas em Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul, onde a taxa ficou em 1:1,35.

É interessante observar que o que realmente conta é a relação de troca e não o valor nominal para o invernista que conduz o seu negócio profissionalmente. A quantidade de animais a serem repostos no sistema é constante para um rebanho estabilizado. Assim, quanto maior for a taxa de reposição maior será a rentabilidade do sistema, independentemente do valor nominal da arroba. Para o criador, no entanto, esta situação não é verdadeira. Neste setor o que conta mesmo é o valor do indivíduo.

O agronegócio brasileiro continua nos trilhos, no rumo certo. Dia 25 de julho, comemoramos o Dia do Produtor Rural. Fica aqui o nosso agradecimento a este profissional que tanto faz pelo país. Se estamos hoje “na boa” no setor da produção, no campo, muito se deve a eles. Parabéns, e que continuem firmes no seu propósito de conduzir o país ao desenvolvimento sustentável que tanto almejamos.